O Destino pode ser Controlado?

Humaníssimo, essa é uma pergunta difícil que cada um tem uma resposta diferente para dar. Trouxemos algumas ideias no post de hoje, não deixe de comentar a sua opinião.

“O homem costuma resignar-se a tudo, atribuindo ao destino o desenrolar dos acontecimentos.” Meishu Sama

É verdade que nós seres humanos estamos sempre na busca pelo “sentido da vida”. O psiquiatra e filósofo Viktor Frankl dizia que “nada proporciona melhor capacidade de superação e resistência aos problemas e dificuldades em geral do que a consciência de ter uma missão a cumprir na vida”. Ele refletia, ainda, que nós não inventamos um sentido de nossas vidas, porém o descobrimos, através dos questionamentos e reflexões que a vida nos traz.

Ter a consciência e entendimento do sentido de vida é uma indagação tão forte quanto a questão do destino. Alguns até atrelam um ao outro, conformando-se que as coisas são do jeito que são e que nada pode ser mudado, ficando de braços cruzados e deixando as coisas acontecerem a sua volta, sem tomar as rédeas. Outros, por sua vez, preferem acreditar que tudo é passageiro, transitório, de curta duração. Há muitas variações.

Mais diferente do que todos estes era o Mestre Meishu Sama, que dizia em seus ensinamentos que o destino pode ser mudado de acordo com a nossa própria vontade, isto é, cada um pode traçar o seu destino. Quando temos a consciência disso, podemos verdadeiramente transformar pessimismo em otimismo.

Isso é algo muito poderoso, Humaníssimo!

Você às vezes gostaria que algo na sua vida fosse diferente? Independente do que queremos que mude, ninguém deseja ter um destino infeliz. Todos nós almejamos a boa sorte, contudo são poucos os que a conseguem. Por não conhecer um meio de alcançá-la, o ser humano se confunde ao traçar o seu destino e se torna infeliz, muitas vezes sofrendo dentro do cárcere criado por ele próprio.

Mas como alcançar a boa sorte então? Meishu Sama explica que, para sermos afortunado, nós precisamos semear o bem. Todos sempre comentamos: “quem planta o bem colhe o bem, e quem planta o mal colhe o mal”, e é basicamente isso A semente do mal tem origem no egoísmo, que leva as pessoas a quererem tudo para si, não se importando com o sofrimento e o prejuízo que possam causar ao próximo. A semente do bem origina-se no sentimento fraterno de querer alegrar ou favorecer os semelhantes. Parece simples, mas é difícil de praticar.

Para viver, Humaníssimo, é preciso criar um espírito capaz de aceitar o princípio de que ao praticarmos o bem, criamos méritos e consequentemente nos abrimos para tudo de bom e melhor que o Universo tem para nos oferecer. Não é uma relação de barganha, e sim uma questão de merecimento, pois quando cuidamos do próximo com amor e carinho (não com peso e sentimento de obrigação), nos esquecemos por um momento de nossos problemas.

O Mestre ainda explica que o sofrimento é uma ação purificadora porque através dele são eliminadas as nuvens espirituais. Quando as aspirações humanas não se concretizam da maneira desejada, é porque existem muitas máculas para serem eliminadas e isso é feito a partir de práticas altruístas, dedicação, elevação espiritual, instrução e boas práticas diárias.

Humaníssimo, o que você pode fazer na sua realidade diária para fazer o próximo feliz? Você já fez algo bom para alguém e sentiu-se maravilhoso depois? Comente suas experiências.

Até a próxima!